“Não sou petista, mas preciso reconhecer que o PT fez muito por mim”

“Não sou petista, mas preciso reconhecer que o PT fez muito por mim”

"Aprendi a enxergar o meu próximo com o respeito merecido, quebrar a régua que eu usava para medir a dificuldade dos outros comparando com as minhas"Lélia Maria - Feira de Santana - Bahia

Depoimento enviado em 02/06/2016

Em julho de 2008, fui aprovada em um concurso público para trabalhar em uma universidade federal no interior da Bahia. A primeira no estado depois de uma Universidade Federal da Bahia (UFBA) já na “melhor idade”. Universidade que nasceu com o desmembramento da UFBA. Uma criança, mas com os ranços da universidade-mãe e no caminho dos avanços que toda instituição recém-nascida luta para conseguir. Mas a história da Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB) todo mundo já sabe, se não sabe, pode consultar. Quero falar sobre o que ela fez por mim. 

Sabe escravo com alma de capitão do mato? Eu era assim. Eu achava que porque eu tive que me lascar para concluir o curso de Letras na Universidade Estadual de Feira de Santana (estudei e trabalhei 80% do curso), fazer as cópias, comer e pagar o transporte, isso podia ser feito por todo mundo. E fiquei com a visão tapada assim por um bom tempo. Acontece que água mole em pedra dura… e um dia a ficha caiu. Reconheci que a minha visão estava embotada com os exemplos que circulavam livremente pelo meu universo limitadinho. 

Mas o Centro de Artes, Humanidades e Letras não ia deixar isso barato. Eu (com uma arrogância cavalar) sempre falava: “Vim parar em Cachoeira pq tenho uma missão aqui”. Estava enganada. Era Cachoeira que tinha uma missão em minha vida. Trabalhei em um setor de atendimento e fui fazendo amizade com muitas pessoas que sem nem saber estavam ajudando a tirar a trave dos meus olhos, enxergar o meu próximo com o respeito merecido, quebrar a régua que eu usava para medir a dificuldade dos outros comparando com as minhas e, de crédito, abri meu coração para diversas minorias: tenho lésbicas, gays, candomblecistas, umbandistas, entre tantos outros elementos dos conjuntos socialmente desprezados guardados em um dos melhores lugares do meu afeto. 

A UFRB é fruto do PT, minha vaga surgiu por causa do PT, a vaga destas pessoas bravas e lutadoras também surgiu com o PT. Não sou petista, mas preciso reconhecer que o PT fez muito por mim, ele me transformou em um ser humano. Reconheço que era um capitão do mato, dos mais fuleiros possível, por isso que quando vejo pessoas parecidas com a Lélia que eu era, não sinto raiva, sinto um misto de pena e esperança. Eu melhorei, com fé em DEUS eles vão conseguir melhorar também.

E eu que não leio textão, acabei fazendo um. Mas é só pra registrar: o PT pode ter ganhado muito (não sei o que passa na intimidade da alta cúpula), mas eu posso garantir que ganhei muito mais. Ao PT e UFRB só resta agradecer.